A deputada Gracinha Garcez (PSD), empossada nessa segunda-feira (27) na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), pode não chegar a esquentar a cadeira deixada por Diná Almeida (Podemos), que teve o mandato cassado -, isso porque o partido decidiu entrar na Justiça para brigar pela vaga.

A assessoria jurídica do Podemos e do suplente de deputado Carlos dos Santos Silva, conhecido como Carlão Vigilante, informou que ajuizou, na manhã desta terça-feira (28), uma ação de decretação de perda de cargo eletivo em desfavor de Gracinha Garcez, com pedido liminar para que ela deixe o cargo imediatamente e que seja dado posse ao suplente do partido, no caso, Carlão Vigilante.

O advogado Saulo Ismerim explicou que Gracinha deixou o partido em abril de 2020, se filiou a outra sigla para concorrer às eleições municipais em Itaporanga D ‘Ajuda em 2020 e, por isso, perdeu a suplência. 

“De acordo com a legislação eleitoral, na eleição para os cargos do Poder Legislativo, as cadeiras da Assembleia são garantidas aos partidos políticos, que exercem os mandatos por intermédio de seus filiados. Atualmente o primeiro suplente do PODEMOS é Carlão Vigilante, que seguramente assumirá a vaga, representando o seu partido”, disse a assessoria jurídica.

A deputada Gracinha que, por meio da assessoria, disse que está tranquila e convicta de que o mandato pertence à 1ª suplência.
Fonte: F5News