O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, concede entrevista sobre a revisão da norma para vacinação de adolescentes menores de 12 a 17 anos e diz que não se responsabiliza por estados que iniciaram a vacinação antes do prazo indicado. Ele afirma ainda que a suspensão ocorreu devido aos efeitos adversos apresentados, incluindo a morte de um adolescente, mas ressalva que ainda não há confirmação de que foi provocada pela vacina.

Queiroga critica e diz que no Brasil já foram vacinados mais de três milhões de adolescentes, quando a imunização estava prevista para começar somente após o 15 de setembro. “Inclusive com vacinas que não eram recomendadas para este público”, afirmou, completando: “A responsabilidade é deles, nós distribuímos as vacinas para serem aplicadas de acordo com as pautas”

Como fica:

Adolescentes com comorbidades que tomaram a Pfizer vão tomar a segunda dose.

Adolescentes com comorbidades que tomaram outra vacina, diferente da indicada, não tomam segunda dose.

Adolescentes sem comorbidade que tomaram a primeira dose não tomam mais a segunda.

O Ministério da Saúde revisou a recomendação de vacinação de adolescentes contra a covid-19. O ministério passou a recomendar a vacinação apenas para os adolescentes entre 12 e 17 anos que tenham deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade.