O governador Belivaldo Chagas reuniu o Comitê Técnico Científico e de Atividades Especiais (Ctcae), na tarde desta segunda-feira, 22, para discutir as novas medidas de contenção ao avanço do coronavírus. Ficou prorrogado toque de recolher das 20h às 5h até o dia 31 de março.

Na sexta, 26, sábado, 27, e domingo, 28, o toque de recolher será das 18h às 5h. “Tivemos uma discussão ampla em relação as medidas de hoje. São as mesmas que estão aí, a única difereça é que ampliamos o Toque de Recolher a partir das 18h no próximo final de semana, o restante se mantém”, disse o governador.

Belivaldo avaliou como positivo o toque de recolher. Segundo ele, os pacientes de trauma diminuíram no Hospital Governador João Alves, reflexo da diminuição da circulaçãoo de pessoas. “Isso distencionou os médicos. No final de semana tinha muita gente bebendo e isso provocava muitos acidentes, principalmente com motoqueiros. Se há redução de gente circulando, há reduação de acidentes”, pontuou.

Belivaldo deixou marcada a próxima reunião para o dia 31 de março. No próximo encontro, será avaliado o retorno das aulas, definido para o dia 5 de abril. O governador disse que se for necessário poderá fazer uma nova convovação extraordinária. 

“Queremos chegar dia 31 com boas informações, aí vamos decidir o retorno das aulas no dia 5. Existe a possibilidade até o dia 3 de abril podermos chegar a 30 óbitos por dia, ontem fechamos com 758 pacientes internados, tenho toda a preocupação de ver a queda de óbitos, o mais importante é a diminuição de pacientes internados, se eu tenho menos pacientes em UTI e enfermaria, a possibilidade de óbitos é menor”, avaliou.

Perguntado sobre a vacinação dos profissionais da segurança pública, o governador deixou claro que irá seguir o plano nacional de imunização. “Não tenho nada com nenhuma categoria, nem os profissionais da segurança, nem professores, o que não posso é avançar nessas categorias porque se amanhã eu decidir vacinar 5 mil profissionais de segurança, ou 5 mil professores, segnifica que vou tira 5 mil vacinas de idosos, o plano não me dá esse direito”, concluiu