Os golpes por meios eletrônicos são cada vez mais recorrentes no Brasil. Sergipe se inclui nesse cenário e, recentemente, observou o surgimento de um novo alvo: os correntistas do Banco do Estado de Sergipe (Banese), que têm recebido mensagens via SMS solicitando que acessem algum tipo de link, como na imagem abaixo. 

Eu recebo esse tipo de mensagem diariamente. E dá para perceber que esse link não é do banco. Até porque o banco não usa esse meio de comunicação. Com certeza é golpe. Eu estou atenta, mas imagine quem não tem tanto conhecimento? Pode cair. Fico preocupada com minha mãe”, conta a aracajuana Manuela Gallo. 

De acordo com dados da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim) da Secretaria de Segurança Pública (SSP), mais de 4 mil boletins de ocorrência de casos de crime de estelionato no ambiente virtual foram registrados no período de janeiro a 30 de agosto deste ano. Número que já supera o registrado em todo o ano de 2020, quando foram contabilizados 3.377, no período de janeiro a dezembro. 

Do total de casos em 2021, aconteceu uma média de 20 golpes por meios eletrônicos por dia. “Os golpistas conseguem acessar o aplicativo whatsapp de usuários, tendo como pano de fundo anúncios em sites de vendas, tipo OLX e Mercado Livre. Com informações privilegiadas e se passando por amigos das vítimas, pedem que sejam feitos depósitos em contas bancárias”, relata a diretora do Departamento de Crimes contra o Patrimônio (Depatri), delegada Viviane Pessoa. 

No caso de fraude bancária, a delegada reforça algumas medidas de prevenção, para evitar se tornar uma vítima de golpe. A primeira delas é desconfiar em caso de ligações telefônicas questionando sobre a realização de uma compra por meio de cartão de crédito ou débito, bem como em casos de ligações de ofertas de resgate de crédito oriundo de programa de fidelidade da instituição bancária. Esses são alguns exemplos de informações que estão sendo utilizadas pelos estelionatários para ter acesso aos dados das contas dos correntistas. 

O cliente deve ficar atento também às ligações telefônicas originadas do número do SAC da instituição financeira que, no caso do Banese, é o (79) 3218-2020, e ele funciona apenas para receber ligações. Ou seja, se ocorrer qualquer contato via telefone, informando que é do Banese, desconfie, pois o banco não utiliza esse meio. 

“Se a pessoa solicitar que você telefone para o SAC do seu banco, use outra linha telefônica, especialmente se estiver utilizando telefone fixo. Jamais concorde em receber funcionário do banco em sua residência para pegar seu cartão bancário, mesmo que esse cartão tenha sido cortado ou danificado de outra forma. Não confie em mensagens de texto enviadas por SMS ou whatsapp, especialmente se contiverem links de internet. Os bancos jamais enviam links através de mensagens de texto”, destaca a delegada. 

Confira abaixo outras orientações:

1 – Nunca informe a terceiros o código de verificação recebido através de mensagem de texto;

2 – Analise os valores atualmente disponíveis para realização de transferências e pagamentos através de internet banking e, caso sejam incompatíveis com a sua movimentação financeira habitual, solicite ao banco a redução desses limites;

3 – Analise os valores atualmente pré-aprovados para contratação de empréstimos financeiros através de internet banking e, caso sejam incompatíveis com a sua movimentação financeira habitual, solicite ao banco a desativação dessa funcionalidade ou a redução desses valores;

4 – Caso suspeite que está sendo vítima de algum golpe, entre em contato com o SAC da sua instituição financeira IMEDIATAMENTE e solicite o estorno das transações financeiras ilícitas ainda não  consumadas, bem como o bloqueio das senhas de acesso e de movimentação financeira.

Além disso, a delegada reforça a importância do registro do Boletim de Ocorrência em caso de fraude, que pode ser feito pelo site da delegacia ou presencialmente em alguma unidade policial.