A deputada estadual Goretti Reis (PSD), que integra a Comissão Nacional de Acompanhamento da Vacinação da União das Assembleias Legislativas (Conav/Unale), tem participando de diversas reuniões virtuais com órgãos e instituições para discutir o processo de imunização no Brasil. Na ultima quinta-feira, 22, o encontro foi com o embaixador de Israel, Shmulik Bass. Na ocasião, o embaixador apresentou as ações que levaram Israel a retomar a normalidade.

Ao lamentar os números altos de contágio e mortes no país, Bass explicou que além do uso de máscaras, a imunização foi o ponto chave para o controle da pandemia em Israel. Após os 14 dias da aplicação da segunda dose do imunizante da Pfizer, foi visível a redução significativa nesses números.

“Existiu uma grande campanha para a administração da crise envolvendo a distribuição de imunizantes em todo o país, uso de tecnologias para que as informações sobre a vacinação chegassem para todos. Outro ponto importante foi o gerenciamento de campanhas antivacinação e os Fake News. Além dos desafios de agora e do futuro para chegar realmente ao fim da pandemia e enfrentar uma nova, quando ocorrer”, explicou o embaixador ressaltando que o enfrentamento bem-sucedido se deve, principalmente à agilidade na vacinação em massa através do Serviço Nacional de Emergência Médica e Desastres (MDA).

Para Goretti Reis a iniciativa do governo de Israel deve ser seguida por todos os países. “Ouvir os relatos do embaixador nos trouxe esperança, mas é preciso medidas imediatas. Com 800 mil infectados e mais de 6 mil mortes, Israel foi o primeiro país a suspender o uso obrigatório da máscara em locais abertos. São mais de 65% da população geral do país vacinada, sendo que 85% dos israelenses, maiores de 16 anos, já receberam pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19. Existe um registro atual de apenas 11 casos no País. É um dos primeiros a ter dados sobre a vacinação de crianças com comorbidades já vacinadas, com a imunização de um grupo de 500 pessoas”, destacou

A parlamentar ressalta que entre as ações da Comissão Nacional de Acompanhamentos da Vacinação(CONAV), mostrar exemplos de locais que deram certo é de extrema importância. “É preciso agilidade e acabar com a burocracia que tem atrapalhado a liberação de vacinas para o Brasil. Precisamos imunizar nosso povo o mais rápido possível”, explicou a parlamentar.

Fonte: Alese