Pesquisadores da Universidade Federal de Sergipe (UFS) apontam 50 cidades brasileiras com alto risco de contaminação pela covid-19 por parte de gestantes e puérperas. O resultado mostrou que nenhum dos 75 municípios sergipanos se inclui nessa situação preocupante.

O estudo mapeou os casos e mortes para a covid-19 por 16 meses, entre março de 2020 e junho de 2021. Durante esse período, o país registrou 13.858 casos e 1.396 mortes por covid-19 entre mulheres grávidas e em pós-parto, segundo levantamento da pesquisa.

A taxa de letalidade desse público é cerca de 10%, ou seja, a quantidade de mortes em relação ao número de casos confirmados da doença; já para o público geral brasileiro, essa taxa é de apenas 2,8%, de acordo com dados do Painel Coronavírus.

O artigo com os resultados da pesquisa foi publicado na revista científica internacional The Lancet, de grande relevância e uma das mais prestigiadas pela comunidade acadêmica em todo o mundo.

Os resultados mostraram que, entre os 50 municípios identificados com alto risco de contaminação do público obstétrico, a Paraíba tem o maior número de cidades, com 13, seguida por Ceará (7), Amazonas (7), São Paulo (7), Rio Grande do Sul (6), Minas Gerais (4), Paraná (3), Mato Grosso (2) e Santa Catarina (1). 

Já para o número de óbitos, há um risco elevado de morte materna por covid-19 . Quatro destes municípios estão localizados em Minas Gerais. Os outros foram registrados em São Paulo (3), Goiás (2), Mato Grosso do Sul (1), Amazonas (1), Roraima (1), Pernambuco (1), Bahia (1) e Rio Grande do Sul (1).

Professor e pesquisador Victor Santana Santos

O coordenador da pesquisa, o professor e pesquisador Victor Santana Santos, declarou em resposta ao portal de comunicação da UFS que o estudo “fornece evidências científicas dos efeitos das desigualdades geográficas e regionais, disparidades de saúde e pobreza sobre a população obstétrica afetada pela covid-19 em um país de baixa e média renda.”

Fonte: F5News