Continua sem freio a escalada do preço da gasolina vendida nos postos sergipanos. Na última semana, o valor médio do litro sofreu um novo reajuste e, em alguns postos, chegou a ser encontrado ao custo de R$ 6, maior valor já registrado nos últimos 12 meses. Os dados constam em relatório da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), disponibilizado nesta segunda-feira (15).

O levantamento refere-se ao período de 7 a 13 de março e foi realizado em 37 postos de combustíveis. Como no caso de Sergipe a metodologia se restringe a poucos municípios, a exemplo de Aracaju e Itabaiana, é possível que haja valores ainda mais altos em outras cidades, que a sondagem não consegue captar.

O preço médio do combustível assinalou nova alta, saltando de R$ 5,29 na semana anterior para R$ 5,55 nos últimos sete dias. Somente nas últimas quatro semanas, o aumento acumulado é de 56 centavos no preço final da gasolina. Como a política de preços é individualizada para cada posto, eles podem ter sofrido alterações desde o período em que os dados foram coletados.

Para quem depende do combustível para trabalhar, os frequentes reajustes têm se transformado num verdadeiro desalento. É o caso do autônomo Diego Rocha, que trabalha como motorista de aplicativo. Segundo ele, outro complicador tem sido a queda de passageiros por conta das novas medidas restritivas contra covid-19 na capital.

“No final de semana, principalmente no sábado, a demanda estava muito baixa. Além disso, quase todas as corridas eram curtas, mas os passageiros estavam distantes e as plataformas não estavam pagando pelo deslocamento. Com a gasolina cara desse jeito, não compensa”, conta o motorista aracajuano.

ICMS
De acordo com o Sindicato dos Donos de Postos de Combustíveis de Sergipe (Sindpese), uma revisão na base de cálculo do ICMS deve influenciar ainda mais sobre o preço dos combustíveis já a partir desta segunda.

O secretário executivo da entidade, Maurício Cotrim, disse em entrevista à Fan FM que houve um aumento de R$ 0,24 centavos na pauta fiscal da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) para a cobrança do imposto, o que deve refletir num acréscimo de R$ 0,07 centavos no preço final, já que o valor da alíquota cobrada sobre a gasolina é de 29%.

Ainda conforme o representante do setor, essa atualização é feita quinzenalmente com base na emissão de cupons fiscais. O Ato Cotepe, como é chamada a revisão, é divulgado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) no Diário Oficial da União (DOU).

Essa informação foi divulgada no final de semana por veículos de imprensa nacionais. O governo do Estado reagiu, no entanto, negando que tenha feito ou planeje fazer ajustes diretos na alíquota do imposto.

Petrobras
Desde o começo do ano, a Petrobras autorizou seis aumentos para o valor do litro da gasolina nas refinarias, o que consequentemente acaba reverberando nos preços cobrados ao consumidor. A sistemática de reajustes da estatal acompanha o valor do petróleo no mercado internacional e a pressão cambial com o dólar valorizado ante o real. Segundo analistas de mercado, há tendência de novas elevações nas próximas semanas.

Fonte: F5News