De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), o governo de Sergipe deverá recorrer da decisão do juiz substituto da 3ª Vara Federal de Sergipe, Sergio Silva Feitosa, que determinou o restabelecimento da vacinação prioritária de gestantes e puérperas sem comorbidades contra covid-19.

Segundo informações da pasta, se a SES incluir as grávidas e puérperas sem comorbidades no grupo prioritário de vacinação neste momento, “terá que tirar a vacina de outro grupo prioritário”.

Ainda de acordo com a Comunicação da Secretaria, as grávidas e puérperas sem comorbidades foram retiradas do Plano Nacional de Imunizações para investigação de um caso adverso grave, e ainda não há um retorno desse grupo.

“Diante do cenário de escassez de vacinas, a Secretaria de Estado da Saúde tem seguido as diretrizes do Plano Nacional de Imunizações (PNI), elaborado pelo Ministério da Saúde. Se a SES incluir as grávidas e puérperas sem comorbidades nesse momento, terá que tirar a vacina de outro grupo prioritário. Portanto, aguardamos novas remessas de vacinas e as novas deliberações do PNI para avançar na cobertura vacinal”, disse a assessoria. 

A decisão do juiz atende a um pleito do Ministério Público Federal (MPF), e determina ainda que, em caso de descumprimento da liminar, o governo de Sergipe estará sujeito a uma multa diária.