Na Sessão Extraordinária Mista da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) desta quinta-feira, 22, o deputado estadual Francisco Gualberto (PT), se manifestou favorável à Moção de Repúdio que o colega parlamentar Iran Barbosa (PT), irá apresentar ao Projeto nº 5.595, que reconhece a Educação presencial como serviço essencial.

Gualberto também criticou uma ação de autoria de Roberto Jeferson, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), alegando inconstitucionalidade o toque de recolher em alguns estados.

“Nenhum governador está questionando a constituição brasileira. Todos sabem que se trata de uma pandemia, onde os governadores também amparados pela Constituição Federal tomam medidas, na tentativa de evitar uma catástrofe maior. Sabemos que aglomerações de pessoas sem máscaras, principalmente, traz doenças e geram o vírus em maior números vitais”, enfatizou o parlamentar

Francisco Gualberto ressaltou também, que o PL é uma fronta à vida dos profissionais da Educação. “Essa lei quer de qualquer maneira, que o professor vá para a sala de aula e isso é inconcebível. Só mesmo na visão do iluminado pelas travas, o presidente da República e seus aliados”, declarou.

Finalizando o discurso, Gualberto afirmou que irá subscrever a Moção de Irá, pois atende sua visão de mundo. “Somo-me a esta Moção compreendendo que estamos combatendo aqueles que não querem dar valor a vida, que não querem saber quantos mais podem morrer”.

Fonte: Alese