O número de amostras para exames de detecção da covid-19 enviadas ao Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (Lacen) está reduzido neste mês de fevereiro. O exame em questão é o RT- PCR, em que as amostras são coletadas através de cotonetes de nasofaringe (nariz) e orofaringe (garganta).

De acordo com o superintendente do Lacen, Cliomar Alves, houve uma redução tanto no número de recebimento de amostras quanto na taxa de positividade dos testes realizados pelo laboratório. 

O superintendente revela que,  em dezembro de 2020, foram recebidas 37 mil amostras. Em janeiro deste ano, foram registradas 25 mil. Já em fevereiro, o número caiu para 10 mil amostras recebidas até esta terça-feira, 16.

Ainda de acordo com Cliomar, em relação a taxa de positividade, entre os três meses citados, janeiro fica em primeiro lugar, apresentando uma taxa de 78% em relação ao total de testes realizados. Dezembro fica em segundo lugar com uma taxa de positividade de 61%. Por fim, fevereiro apresenta queda na taxa apresentando cerca de 53% de resultados positivos.

Segundo o superintendente, comparando ao ano passado, o recebimento de amostras e a taxa de positividade do exame RT-PCR estão apresentando uma queda considerável.

SMS

A Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju também chamou atenção para a situação. Segundo a SMS, Aracaju registrou queda de 41,8% na procura por testes RT-PCR. O levantamento feito pela Sala de Situação em Saúde de Aracaju (ASPLANDI/SMS) indicou que em dezembro do ano passado foram realizados, pelo Município, 16.898 testes RT-PCR. Em janeiro, quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou os pedidos de uso emergencial no Brasil das vacinas CoronaVac e AstraZeneca, foram realizados 9.830 testes.

Fonte: Infonet