O governador Belivaldo Chagas (PSD) disse nesta terça-feira (27) que manterá o contrato de aquisição da vacina russa Sputnik V, cujo pedido de importação foi negado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Por meio do Consórcio Nordeste, o governo sergipano requisitou 400 mil doses do imunizante produzido pelo Instituto Gamaleya, ao custo de R$ 23 milhões.

Mais cedo, o chefe do Executivo estadual participou de uma reunião com o Fundo Soberano Russo e governadores de outros 13 estados do país, na qual ficou acordado que será feita uma contestação inicial científica, solicitando um novo parecer da Anvisa. Posteriormente, ela pode chegar à Justiça.

“Entendo e respeito a posição da Anvisa como órgão técnico responsável, mas me causa estranheza neste veto o fato de a Sputnik já ter sido liberada anteriormente pelo Comitê Científico do Nordeste e de outros 62 países, onde ela está sendo aplicada em massa”, disse o governador Belivaldo Chagas. 

As três áreas técnicas da reguladora encontraram falhas nos estudos e processos produtivos da Sputnik, além da falta do relatório técnico da vacina. “Verificamos a presença de adenovírus replicante em todos os lotes. Isso é uma não-conformidade grave e está em desacordo com o desenvolvimento de qualquer vacina de vetor viral. A presença de um adenovírus pode ter impacto na nossa segurança quando utilizamos a vacina”, destacou Gustavo Mendes, gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da agência durante a audiência extraordinária.

A expectativa dos estados é que as doses sejam entregues até o próximo mês de julho.

“Espero do fundo do coração que a questão das vacinas não esteja sendo politizada e continuarei lutando para trazer imunizantes seguros e eficazes para a população, independente do seu local de origem. O povo precisa de vacina para voltar à normalidade das suas vidas e não mediremos esforços para que isto aconteça”, afirmou Chagas. 

Fonte: F5News