A população de Cumbe sofre com o vazamento descontrolado da caixa d´água da cidade. Enquanto a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) fecha os olhos para o problema e não resolve o vazamento, a cidade em muitas situações precisa lidar com a falta de água na sede e nos povoados.

Segundo moradores esse vazamento da caixa d’água já é antigo e de conhecimento da Companhia, mas, nunca foi solucionado e diariamente permanece desperdiçando litros de água. “Enquanto os povoados ficam semanas sem água, na cidade a caixa d’água fica derramando direto, a noite toda, esse problema vem acontecendo várias vezes, a Deso é comunicada, não toma providência, um desperdício e quem paga a conta somos nós. Água potável sendo jogada fora, um abusrdo!”, reclama um popular em um áudio compartilhado no WhatsApp.

O vereador Valmor Gean, está tentando solucionar o problema junto da Deso. “Enquanto esse vazamento existir, haverá um grande desperdício de água e quem pagará a conta será a população de Cumbe. A grande preocupação é que enquanto está ocorrendo esse desperdício, em muitos povoados sequer tem água para as necessidades diárias”, pontuou o vereador.  

Tarifas cobradas

Este ano, desde o dia 1º de fevereiro, a conta mensal de água ficou mais cara, sofreu um reajuste de 5%. Ou seja, a tarifa mínima (quando o usuário consome até 10m³ por mês) passou de R$ 37,74, para R$ 39,76.

O reajuste acontece anualmente e este é referente ao ano de 2020, já que o Governo de Sergipe suspendeu o aumento por conta da pandemia. Cerca de 64% da população do estado paga a taxa mínima.

Resposta da Deso

Até o fechamento desta matéria a nossa redação não conseguiu contato com a Deso, mas o Capital do Sertão está à disposição para os devidos esclarecimentos, através do telefone (79) 9.9874-2523.