O governo se aborrece quando falamos na volta da inflação, para ele simplesmente isso não existe. O povo sofre. Sofre porque não pode comprar um botijão de gás ao preço de 120,00. Um pai de família assalariado com cinco filhos, esposa, aluguel de casa, conta de água e luz para pagar e alimentar toda essa gente não pode todos os meses comprar um botijão de gás. O jeito é fazer fogo a lenha porque nem de carvão é possível já que também está muito caro.

Para quem mora perto de uma florestinha ainda está bom porque tem a lenha sempre que possível, mas para quem mora em comunidades carentes onde em barracos de lona se amontoam 10 a 15 pessoas para dormirem todas as noites nas cidades grandes fica difícil encontrar lenha. Sem contar que na maioria dessas cidades não é possível se ver árvores, mas apenas prédios e muros altos. Os ricos se escondem dos pobres com medo das suas caras feias, como dizem eles. São as desigualdades sociais gritando mais uma vez na cara dos pobres.

O fato da dona de casa cozinhar a lenha tem trazido sérios problemas de saúde pública. Nos hospitais, muitas delas começam a chegar queimadas. Queimaduras que atingem principalmente o rosto, as mãos e a barriga. As donas de casa perderam o hábito de fazer esse tipo de fogo. Usam querosene para acender o fogo e acabam se queimando gravemente. Também é preciso cuidado para deixar as crianças afastadas do fogo porque elas gostam de brincar de fogueirinha. Quando não é o querosene que derrama no corpo da dona de casa é o caldeirão de sopa ou feijão que acaba caindo do fogãozinho a lenha improvisado. É preciso muito cuidado com esse tipo de fogo.

Nos últimos seis meses na minha cidade o botijão de gás já teve cinco aumentos. Eu me lembro que até bem pouco tempo a minha mamãe comprava por 75,00. Hoje o seu valor está em 120,00 a vista. Tem vendedor, desses que saem de porta em porta, que vendem parcelado no cartão em 12 vezes. Mas a dona de casa que cai nesse crédito está fadada a ficar com uma grande dívida no seu cartão de crédito, pois o botijão de gás vai se acabando mensalmente e a dívida crescendo. Não recomendo a ninguém comprar dessa maneira.

Os constantes aumentos do botijão de gás prejudicam a dona de casa que desesperada não sabe onde cozinhar o feijão e o arroz. Na verdade, quando tem esses alimentos em casa porque do jeito que tudo está difícil comer feijão com arroz tem sido coisa de rico. O pobre tem sofrido com a volta dos aumentos desenfreados da cesta básica, também. Comer está difícil. A desnutrição está voltando. Voltamos para o mapa da fome. O negócio é sair de porta em porta pedindo um pedaço de pão como fazíamos nos tempos em que o governo devia muito ao FMI – Fundo Monetário Internacional.

Por enquanto aqui em casa seguimos comprando o botijão de gás, porém isso porque mamãe economiza de todas as formas possíveis e imagináveis para que ele dure 1 mês e 15 dias, no máximo. Cozinhamos sempre feijão para vários dias e só usamos o botijão de gás para cozinharmos o que necessitamos comer todos os dias. Aqui nada mais de bolos, pudins, tortas salgadas. Faz tempo que não usamos o forno do fogão. E assim vamos vivendo nessa carestia que se tornou um botijão de gás. Oremos para que Deus tenha piedade de nós, pobres assalariados brasileiros.