Paralisados nesta quinta-feira (14), os rodoviários do grupo Progresso, que atuam no transporte coletivo da Grande Aracaju, reivindicam o pagamento de salário atrasado, ticket alimentação e a não demissão de cobradores. Segundo os trabalhadores, a empresa já informou que no dia 30 deste mês, 80 trabalhadores serão desligados. 

O agente comercial da Progresso, Marcelo Rezende, que garantiu que os ônibus só voltarão a rodar na capital e região metropolitana quando o salário dos trabalhadores estiver na conta. Marcelo afirma que no mês de setembro apenas 50% do pagamento foi efetuado.

“Isso a gente vem sofrendo há 10 anos. Chegou ao ponto de colegas nossos perderem carro, imóvel, porque não tem como pagar, e tá arriscado de colega nosso ir até preso, por conta de pensão, porque não tem como pagar. Eles vão colocar 80 cobradores para a rua e estão querendo fazer um acordo para pagar os direitos em 12 vezes”, conta o trabalhador. 

Em nota, o Setransp ressalta que já havia alertado sobre o colapso do setor do transporte público coletivo de Aracaju e da região Metropolitana e que paralisações como essa têm sido frequentes. 

“Embora seja um serviço essencial e direito social o transporte que já vinha enfrentando dificuldades ao longo dos anos, está sofrendo diretamente os efeitos negativos econômicos da pandemia, acúmulo de débitos com fornecedores, com impedimentos para pagar folha salarial, e sem nenhum aporte financeiro dos governos, nem qualquer subsídio ou isenção de tributos”, disse a entidade. 

Ainda conforme o sindicato, a dificuldade das empresas com folha de pagamento aumentou devido às perdas na receita pelo baixo número de passageiros registrado em 2020, que chegou a cair 70%. “Atualmente, mesmo com toda a sua frota à disposição, o transporte continua com uma queda de 47% da sua demanda de passageiros habitual”, acrescenta. 

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) de Aracaju também se manifestou por meio de nota para informar que o órgão já entrou em contato com as demais empresas que fazem parte do sistema de transporte coletivo para que mais ônibus sejam colocados em operação e suprir as linhas que foram afetadas pela paralisação.

“A SMTT está acompanhando as tratativas entre empresa e colaborador, e a expectativa é que a situação seja resolvida o mais rápido possível para que o sistema volte a operar normalmente, sem causar prejuízos a população”, disse a Comunicação do órgão. 

Fonte: F5NEWS