Na noite do último sábado, 19/02/2022, ocorreu a 54ª edição do Sarau no Coreto, Patrimônio Cultural e Imaterial de Monte Alegre de Sergipe, reunindo cordelistas, pesquisadoras, músicos e familiares do eterno João Valentim dos Santos, pois a temática desta edição foi “João Valentim: uma lenda do nosso sertão”. Uma homenagem aos 25 anos de falecimento desse cidadão que viveu da década de 70 a 1994 no município de Monte Alegre de Sergipe. Para muitos cidadãos João Valentim se transformava em lobisomem. Essa história encontra-se no imaginário social dos monte-alegrenses e dos municípios vizinhos.

Ele nasceu no município de Aquidabã no dia 03 de janeiro de 1915 e faleceu em Aracaju no dia 20 de fevereiro de 1997. Fazendo exatamente 25 anos de seu falecimento. Seu corpo foi sepultado no cemitério São João Batista na capital do nosso estado. Filho do senhor Valentim dos Santos e da senhora Maria Luzia dos Santos.

Durante o sarau, as historiadoras Josenilde dos Santos Vicente, Juçara Sequeira da Silva e Patrícia Aparecida dos Santos de Jesus apresentaram uma síntese do trabalho de conclusão de curso que fizeram sobre a história de João Valentim, apontando depoimentos de pessoas que conviveram com “o homem bicho”.

Em seguida, as netas e filha de João Valentim foram convidadas a fazerem uso da palavra para apresentarem o olhar mais afetivo deste homem, pois muitos o conhecia por ele andar pelas ruas, nos trabalhos braçais etc, mas não como pai, avô, esposo. A filha Leda foi envolvida pela emoção e não conseguiu expressar suas palavras ficando a função com a neta-filha Ana Paula. Ela afirmou que as histórias que circulam sobre seu avô não é uma lenda, pois ele virava lobisomem e destacou alguns aspectos do seu velório os quais deram mais evidencia para a veracidade da história.

A prefeita Marinez Pereira relatou sobre a dúvida que paira no imaginário da população se o fato é verdadeiro ou não, ressaltou a importância de se manter viva a história para as crianças e juventude. Evandro, secretário municipal de saúde, pontuou como a história de João Valentim está colocada no imaginário social.

Em seguida, o cordelista Euvaldo Lima fez a leitura de um cordel em homenagem ao Sarau no Coreto e o cordelista Luiz Alves (Gauchinho) lançou o cordel “João Valentim a lenda do Lobisomem”. Gauchinho fez questão de cantar o cordel como outrora os cordelistas faziam nas feiras livres.

O cidadão monte-alegrense Teorge relatou que já passou por uma situação inusitada com João Valentim e a professora Bela evidenciou a relação de sua família com ele. Essas falas traduzem um pouco do quanto “o homem bicho” foi e é um patrimônio vivo da cultural deste lugar.

 Na ocasião, foi solicitado à prefeita que nomeasse um prédio público em homenagem a este homem e que as pesquisadoras possam publicar a pesquisa em um livro para servir como fonte de pesquisa para as próximas gerações.

O Sarau contou com o tom musical de seu Humberto, fazendo uma moda de viola, e Johnny Fiel. Agradecemos a cada cidadão monte-alegrense pelo apoio e participação, à prefeita Marinez por contribuir com a vinda dos familiares de João Valentim, aos familiares pela presença, aos cordelistas e músicos pelo apoio, às pesquisadoras pelo compartilhamento da pesquisa e ao Felipe pelo som.

A edição de março será voltada à literatura produzida por mulheres com a participação dos membros do Leia Mulheres de Glória. Vida longa ao Sarau no Coreto! Viva a cultura popular!

Por: Carlos Alexandre N. Aragão, Idealizador do Sarau