Moradores do povoado Lagoa Redonda, em Porto da Folha, no Alto Sertão de Sergipe, fizeram um protesto, na manhã desta segunda-feira (22), contra o desabastecimento de água na região. Os manifestantes queimaram pneus, bloqueando a rodovia e impedindo a passagem de veículos. Segundo relatos, a falta d´água já dura dois meses. 

Em Graccho Cardoso, no Médio Sertão, moradores também reclamam de problemas constantes no fornecimento de água potável. A professora Marta Magna disse que tem faltado todos os dias. “E quando chega, é bem fraca, não sobe para a caixa”, disse. 

De acordo com o diretor de Comunicação da Companhia de Saneamento do Estado de Sergipe (Deso), Flávio Vieira, o desabastecimento na região ocorre desde a semana passada por diversos fatores, entre eles um problema no fornecimento de energia e o rompimento da adutora Sertaneja, que abastece a região.

“Houve uma interrupção no fornecimento de energia da adutora Sertaneja, na quarta-feira (17), e o problema só foi solucionado na sexta (19); na sequência, tivemos um rompimento na adutora. Os trabalhos de reparo seguiram durante todo final de semana, sendo concluídos no domingo”, explica.

Segundo Flávio, embora os problemas já tenham sido resolvidos, o restabelecimento do sistema ocorre de forma gradativa e pode levar até cinco dias. Ele disse também que, para amenizar a situação, está enviando caminhões pipa para as comunidades afetadas.

A constante  falta de água na região, em especial nos povoados Meisinhas, Mané Velho, Quintas e Chimarra, em Graccho Cardoso, foi debatido em uma reunião realizada nesta segunda-feira (22), entre o deputado Zezinho Sobral, o vereador do município Beto do Sertão e o presidente da Deso, Carlos Melo. 

Segundo o parlamentar, Carlos Melo informou que, inicialmente, enviará uma equipe para fazer uma análise técnica e detalhada, para que a empresa amenize o problema.

Fonte: F5News