Após o anúncio feito pelo Ministério da Saúde de redução no repasse do número de vacinas BCG para os Estados, Sergipe adotou medidas para garantir a vacinação dos recém-nascidos.

De acordo com o SES, o Estado recebia, em média, 15 mil doses da vacina mensalmente. Após a decisão do Ministério da Saúde, a primeira remessa vinda do Plano Nacional de Vacinação contabilizou apenas 5.840 doses da BCG, cerca de 274 frascos recebidos.

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) de Sergipe divulgou que enviou uma nota técnica aos municípios com estratégias para manutenção do estoque, com agendamento de datas e horários para abertura dos frascos, no intuito de evitar a perda de doses.

A BCG é uma das primeiras vacinas a serem ministradas em recém-nascidos no Brasil, pois a recomendação é que seja aplicada no bebê, preferencialmente, nas primeiras doze horas após o parto.

Ela é conhecida por deixar uma marca característica no braço da criança. Ela previne as formas graves de tuberculose, doença que provoca estragos duradouros na vida do doente, ao afetar não apenas os pulmões, mas também ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).