Sergipe recebeu apenas um dos 25 lotes da Coronavac, já distribuídos em todo país, e que foram suspensos no último sábado (4) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por medida cautelar. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), os municípios que ainda possuem doses armazenadas deste lote devem suspender a utilização, até nova orientação.

A medida cautelar publicada no Diário Oficial da União foi motivada pelo envase ter ocorrido em uma planta fabril na China que não foi inspecionada e aprovada para Autorização de Uso Emergencial no Brasil. Ao todo, 42 lotes da vacina Sinovac/Coronavac estão proibidos de ser distribuídos e utilizados por até 90 dias. Deste total, o Ministério da Saúde já havia distribuído 25 lotes para todo o país.

Lotes já distribuídos (12.113.934 doses):   

IB: 202107101H, 202107102H, 202107103H, 202107104H, 202108108H, 202108109H, 202108110H, 202108111H, 202108112H, 202108113H, 202108114H, 202108115H, 202108116H e L202106038.  

SES/SP: J202106025, J202106029, J202106030, J202106031, J202106032, J202106033, H202106042, H202106043, H202106044, J202106039, L202106048.   

O lote destinado a Sergipe chegou no dia 27 de julho e continha 700 doses, do tipo monodose, que foram distribuídas pela SES conforme orientação do Ministério da Saúde. No dia 28 de julho, foram distribuídas 350 doses, como D1 (primeira dose) e no dia 16 agosto, outras 350 doses, como D2 (segunda dose). 

Por meio de nota, a SES informou que aguarda orientação do Ministério da Saúde para maiores esclarecimentos sobre o assunto. E destaca que, em documento enviado à Anvisa, o Instituto Butantan assegura que os lotes apontam segurança e qualidade das vacinas produzidas. É preciso ressaltar que apenas os lotes especificados não devem ser utilizados. Os demais têm segurança, qualidade e eficácia comprovadas.

“O mais importante é tranquilizar a população que não é vacina vencida. É só questão burocrática, para não causar pânico ou rejeição a outras doses da Coronavac”, disse a SES.