“Temos motivos para comemorar as baixas taxas de ocupação dos leitos de UTI, porque acertamos nas vacinas. Elas são, sem dúvida, a nossa primeira etapa de comemoração”, afirma a médica infectologista Mariela Cometki, após Sergipe se manter por cerca de duas semanas com taxa abaixo de 40%. 

Nesta terça-feira (10), a Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou mais um Boletim da Covid-19, onde consta que os leitos de UTI da rede pública estão com 34,3% de ocupação, e os da rede privada, com 24,1%.

Os números em queda são animadores e, para a especialista, diretamente atrelados ao avanço da campanha de imunização. 

“Precisamos continuar com um plano de imunização regular, que mantenha a população vacinada periodicamente, mas também precisamos manter algumas medidas preventivas que, provavelmente, não vamos ter flexibilização total por um grande período de tempo, enquanto tivermos a circulação do vírus na comunidade”, ressalta a infectologista Mariela. 

De acordo com a médica, o uso de máscaras de proteção facial, bem como distanciamento social e higienização constante das mãos, são atitudes que devem ser mantidas pela população, mesmo com as constantes baixas de casos e internações por covid-19. “A diminuição das mortalidades, dos casos graves, está associada sim à vacinação, que é extremamente segura e eficaz, mas, infelizmente, não conseguimos só com a vacinação ter êxito completo”, reforça.

“Somente com a somatória de esforços, tanto do poder público, com a campanha de imunização, como da própria população, se poderá garantir que os casos continuem em queda em Sergipe e, no Brasil, segundo afirma a infectologista.

“Precisamos entender que a vacinação é segura e eficaz, como mostram os índices de redução de casos e taxas de ocupação, mas ela precisa das medidas preventivas individuais e pessoais. As variantes vão acontecer inevitavelmente. São várias e sem dúvidas, não vão deixar de aparecer. A exposição ao vírus no organismo humano, naturalmente, faz seleção, e essas variantes ficam mais espertas. Por isso os cuidados devem ser mantidos”, reitera Marieta Kometki.

Conforme o boletim da SES, o Hospital de Cirurgia, na zona central de Aracaju, é o que mantém as maiores taxas de ocupação neste momento, com relação aos leitos da rede pública, com 55%. Das 20 vagas disponíveis, 11 estão ocupadas. Já na rede privada, o hospital São Lucas mantém a maior taxa, com 60% de ocupação dos leitos de UTI. 

Por outro lado, 49,9% da população sergipana foi vacinada com pelo menos a primeira dose, e 17,81% concluiram o ciclo vacinal com duas doses ou dose única. 

Fonte: F5 News