De janeiro de 2020 a agosto de 2021, Sergipe já teve mais de 180 registros de suicídio. Os casos são prevalentes na população masculina que, durante todo o ano passado, teve 98 registros, conforme dados da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim),  da Secretaria de Segurança Pública (SSP). 

A diferença de casos registrados entre homens e mulheres é grande. Do total de 70 suicídios em Sergipe esse ano, 52 foram de homens e 18, de mulheres. Além disso, no período de janeiro de 2020 a julho de 2021, o Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe atendeu 600 ocorrências de pacientes com surtos psicossociais.

Este mês é marcado pela campanha ‘Setembro Amarelo’, de prevenção ao suicídio. Ações estão sendo desenvolvidas no país, com o objetivo de mobilizar a sociedade no combate a esse tipo de ocorrência. 

No Brasil, o Setembro Amarelo foi efetivado há cerca de seis anos, por meio da Portaria MS Nº 1271/2014, que tornou a notificação de tentativa de suicídio obrigatória no sistema de saúde nacional. Assim, hospitais públicos e particulares de todo o país passaram a ter que informar ao Ministério da Saúde os atendimentos motivados pela chamada “tentativa de autoextermínio” ou “lesões autoprovocadas”.

Na capital sergipana, de acordo com a coordenadora da Rede de Atenção Psicossocial de Aracaju (REAPS), Chenya Coutinho, durante o mês de setembro a Prefeitura de Aracaju está intensificando a divulgação do serviço 0800 para atendimentos com suporte emocional e apoio qualificado em saúde mental, que surgiu no início da pandemia.

Segundo a coordenadora, de abril de 2020 para cá, o Serviço de Plantão Psicológico (Sapsi) já realizou mais de 7 mil atendimentos e tem demonstrado boa adesão da sociedade, pela segurança, gratuidade e atendimento imediato. 

“Ele serve não só para a pessoa que está tendo a ideação, mas para um familiar que está percebendo um comportamento depreciativo do outro e não sabe como lidar. Então, esse familiar pode ligar e pedir ajuda. Outro público que tem acessado bastante o serviço são os professores. O serviço surgiu na pandemia, mas a ideia da secretaria é manter”, disse Chenya Coutinho. 

O Sapsi funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, por meio de ligação gratuita  pelo número 0800 729 3534, opção 2, onde a população em qualquer condição é atendida de forma imediata e direta por uma psicóloga. Ela realiza uma escuta qualificada e, a depender de cada demanda, poderá dar orientações, psicoeducação e/ou encaminhamentos que atendam às especificidades da pessoa. 

Além da central, a Secretaria Municipal da Saúde mantém o Serviço de Plantão Psicológico, também fornecendo suporte psicológico e emocional para sofrimentos psíquicos relacionados ao pós covid, em atendimentos remotos, por chamada de voz,  utilizando ferramentas de tecnologia e sistema de informação em acordo com a tendência mundial de uso de teleassistência e teleatendimentos na rede de saúde. 

A oferta de atendimentos psicológicos também é uma forma de prevenção ao suicídio. Em Aracaju, segundo Chenya, há também a realização de consultas psicológicas e psiquiátricas em nível ambulatorial, de maneira presencial, para os casos de transtornos mentais e sofrimentos psíquicos considerados de leves a moderados. 

“Os atendimentos especializados em psicologia e psiquiatria adulto e infantojuvenil são realizados nas instalações de algumas Unidades Básicas de Saúde; o acesso a essas especialidades se dá mediante encaminhamento prévio de profissional de saúde da atenção básica e inserção no sistema de regulação de marcação de consultas do município de Aracaju na Unidade Básica de Saúde mais próxima à residência da pessoa”, explica a coordenadora. 

Além disso, Aracaju conta com a Rede de Atenção Psicossocial (REAPS), que é composta pelos serviços dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), direcionados a pessoas com transtornos mentais graves e persistentes. 

“Os CAPS são serviços considerados ‘porta aberta’, ou seja, não há necessidade de encaminhamento prévio para passar pelo primeiro atendimento de acolhimento neste serviço. Os atendimentos de acolhimento inicial são realizados de segunda a sexta, das 8 às 17h e, neste primeiro atendimento, o profissional de saúde fará uma escuta qualificada e serão realizados os encaminhamentos necessários, quer seja para as atividades do CAPS, quer seja para outros serviços”, diz Chenya. 

Fonte: F5News