A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) acusou o vereador de Aracaju, Ricardo Marques, de invadir a unidade de tratamento de covid-19 montada no Centro de Atenção Psicossocial Jael Patrício, no bairro Dom Luciano. Segundo a pasta, o vereador desobedeceu protocolos sanitários e desrespeitou a estrutura municipal de saúde.

A SMS disse que o legislador municipal aproveitou o momento de abastecimento de cilindros de oxigênio para entrar no local, sem considerar protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde e pelos órgãos de fiscalização, colocando em risco a si mesmo e aos profissionais, já que espaços de internamento para covid-19 exigem isolamento total dos pacientes e possuem rígido controle de acesso.

“Na busca irracional por holofotes, o vereador chegou a faltar com a verdade ao afirmar que sua entrada teria sido permitida pela secretária municipal da Sáude, Waneska Barboza. A atitude irresponsável, além de desrespeitosa ao trabalho da gestora municipal e dos demais profissionais da área, é um desserviço à sociedade neste momento de crescimento de casos da doença e de óbitos, já que fomenta a desobediência social às recomendações de prevenção ao coronavírus”, disse a SMS em nota.

Vereador Ricardo Marques

Por meio de nota, o vereador Ricardo Marques explicou que foi até o Caps Jael Patrício, unidade que foi terceirizada, para verificar como está sendo feito o atendimento aos pacientes com Covid. “Fui muito bem recebido pelos profissionais que lá trabalham, foram gentis comigo, com diálogo. Me forneceram a roupa especial para acesso à unidade de tratamento Covid, mas depois receberam uma ligação dizendo que por ordem superior, não poderiam permitir o meu acesso. Assim que fui informado, fui embora”.

Segundo o vereador, a nota emitida pela Secretaria Municipal de Saúde, distorce os fatos. “Desde que iniciei o mandato como vereador por Aracaju tenho feito um trabalho intenso de fiscalização. Afinal, esta é uma das prerrogativas de minha função. Tenho todo o material gravado em vídeo e está à disposição da prefeitura. Fui eleito para, como vereador, fiscalizar. E não vou me intimidar com notas que destoem da realidade”.

Com informações da Assessoria parlamentar e SES